Categorias
Blog do Ilgo

Enfim, uma arbitragem a favor

Foi a pior partida do Grêmio com o seu quarteto de ouro no meio de campo. Penso que isso é indiscutível.

Para vencer, foi preciso uma ajuda da arbitragem.

Foi a primeira vez no Brasileiro que o Grêmio, tão prejudicado em alguns jogos, é favorecido.

Agora, não é tanto assim quanto esbravejam os baianos ou enfatizam a todo instante determinados analistas de jogo e de arbitragem.

O segundo gol do Bahia foi anulado porque o bandeira viu impedimento na jogada. Marcelo Grohe deu o rebote e Fael em posição regular mandou para a rede. Ao seu lado, na linha de visão do bandeira, Zé Roberto em claro impedimento. Outro detalhe: Fahel pareceu que saía de posição de impedimento quando recebeu a bola vinda de Grohe.

Não ouvi ninguém questionar a decisão antes de haver o repeteco do lance na TV. Portanto, é daqueles lances que não podem servir para condenar uma arbitragem, por ser de difícil visualização na hora.

O time baiano reclamou também do gol de Souza. Na cobrança de escanteio, que não teria existido, Souza cabeceou e a bola bateu nas costas de Kleber e entrou. Kleber estaria em impedimento, quase ao lado do goleiro. Mas não vi o atacante empurrando ou segurando o goleiro, conforme ouvi alguns dizendo.

É outro lance que só ficou ‘claro’ depois do repeteco. Na hora ninguém viu a bola desviando em Kleber, e até agora não sei se ele estava mesmo em posição irregular.

O fato é que foram dois lances complicados, que o juiz, ao contrário do que tem acontecido, dessa vez pendeu para o Grêmio.

Ao longo do campeonato o Grêmio deixou de somar pontos por causa de decisões de arbitragem. E isso vai acontecer mais vezes, a favor e contra.

A ruindade campeia.

KLEBER

Talvez o maior erro desse juiz do Espírito Santo foi não ter expulsado Kleber por uma entrada grosseira no goleiro, ainda no primeiro tempo. Ele poderia ter dado o vermelho direto, mas optou pelo amarelo. Não sei se a imagem do lance não resulte em punição maior ao Kleber, não sei.

A entrada de Kleber, violenta e espalhafatosa, não combina com o seu comportamento atual. Lembrou o velho Kleber do Palmeiras. Tentei entender e na hora lembrei que no minuto anterior ele roubou uma bola no meio de campo, Elano avançou com ela ao seu lado. Kleber corria livre esperando o passe. Elano preferiu concluir e mandou para fora. Kleber gesticulou reclamando. Elano pediu desculpas.

Depois da entrada no goleiro e do cartão amarelo, Elano se aproximou de Kleber para conversar. Teria sido esse o motivo da dura entrada do atacante no goleiro do Bahia?

ELANO E ZÉ ROBERTO

A dupla que elevou o nível técnico do time gremista conseguiu ficar em campo os 90 minutos. Depois da vitória por 3 a 1 e dos três pontos, foi o que de melhor aconteceu no Olímpico. Foi um jogo pegado, o Bahia cresceu muito no segundo tempo e fez por merecer um empate. Zé Roberto e Elano resistiram bem, em especial Elano, principal jogador em campo.

Como prova de que estava bem fisicamente, no finalzinho Elano meteu uma bola açucarada para Moreno marcar um golaço, com muita categoria.

SUBSTITUIÇÕES

É grave depender de Léo Gago e Marquinhos para resolver um jogo encrencado. O time precisava alguém para driblar, partir pra cima da zaga. Rondinelly seria a melhor opção.

Melhor ainda o Facundo Bertoglio, que está para voltar ao time. Ele seria uma excelente alternativa para quebrar o futebol burocrático do time.

Outro problema são as laterais. Pará realmente só quebra o galho. Edilson é um pouco melhor, mas foi só Caio Jr colocar um driblador em cima dele que já abriu um rombo na defesa.

Penso que aí Luxemburgo demorou a agir. Deveria ter encostado alguém para ajudar Edilson.

Depois, Tony entrou. Foi só para mostrar que Edilson é o melhor que o time tem para a lateral-direita.

INTER

Ouvi um torcedor dizendo na rádio Guaíba que estava feliz com a vitória, mas principalmente pelo fato de o time continuar na frente do Inter na classificação. Ele gritou: “Eles nunca vão nos ultrapassar”.

Pois eu não tenho dúvida nenhuma que o Inter vai passar o Grêmio, e não vai demorar.

O time misto do Inter, sob o comando de Fernandão, está surpreendendo. Vencer o Palmeiras fora não é fácil, que o diga o Grêmio.

Fernandão está dando sorte, sem dúvida, mas o importante é que o Inter, sem seu goleador e seu maestro, está pontuando no campeonato.

Com sua força máxima, o Inter vai garantir um lugar no G-4. E talvez até brigar pelo título.