Categorias
Blog do Ilgo

Dunga 'cruz credo' e o fracasso de Luxemburgo

Depois de muito tempo, vou fazer a defesa de Luxemburgo. Não uma defesa veemente, mas ainda assim uma defesa.

O menos culpado pelo empate em 1 a 1 com o Juventude é Luxemburgo. O problema é o conjunto da obra. E este é comprometedor. Um treinador que ganha o que ele ganha por mês, fora alguns penduricalhos, não pode chegar no quinto mês do ano sem uma equipe entrosada, com mecânica de jogo, jogadas treinadas. Não pode.

Jogadores de alto nível de repente passaram a se nivelar com Marco Antônio, Pará… Quando as individualidades vão mal é porque o esquema está mal.

Mas no jogo desta noite em Caxias – e o Grêmio está saindo do Gauchão sem jogar um domingo de tarde na Arena -, o time não foi mal. Foi até melhor que nos últimos jogos. Sem dúvida.

E teria sido melhor se em vez de colocar MA, que todos nós sabemos que não resolve nada, tivesse optado por qualquer um dos Bitecos, de preferência o Guilherme.

Não podemos desprezar o fato de que o Grêmio teve dois gols anulados. Ambos, a meu ver equivocadamente, em especial o primeiro.

Então, mais do que Luxemburgo, a arbitragem foi decisiva para a eliminação. Tem razão o Rui Costa em reclamar. O Rui que deu uma alfinetada em Dunga, sem citar o Dunga, comentando sobre o ‘treinador que demite assessor de imprensa’.

Ouvi o Reche dizendo na Guaíba que time bom passa por cima da arbitragem. Espero que ele diga o mesmo quando o Inter for vítima de erros humanos das arbitragens. Aliás, vou cobrar isso dele.

Mas vou quebrar uma promessa que havia feito a mim mesmo num dos meus diálogos secretos: comentar entrevista do Luxemburgo.

O futebolzinho do time que ele arma já me irrita o suficiente. E a insistência em colocar Marco Antônio em qualquer situação me irrita ainda mais. Portanto, ouvir aquela conversa mole é demais.

Mas vou comentar uma frase dele ao responder por que não fez outras mudanças na equipe para tentar a vitória, limitando-se a colocar em campo o MA. A propósito, quando MA entrou eu escrevi no twitter, debochando: “Agora vai…”.

A resposta de Luxemburgo é uma pérola, uma confissão de que ele não estava nem aí mesmo para o Gauchão:

– Eu não mudei mais porque queria dar uma encorpada no time para o jogo contra o Santa Fé.

Foi mais ou menos isso o que ele falou, confessando que sua preocupação única é a Libertadores.

Isso é muito grave. Jogo em andamento, vaga escapulindo, e ele não muda o time porque já projetava o jogo seguinte?

É grave, muito grave. Eu ali torcendo, pensando que o técnico estava preocupado em vencer e que faria o que estivesse ao seu alcance para continuar no Gauchão e pegar o Inter…

Opa, será que Luxemburgo tem mesmo medo de enfrentar o Inter? Porque ele poderia ter feito outras alterações. Essa de encorpar o time é conversa fiada, até porque Zé Roberto nem poderá jogar.

Perder a vaga jogando e fazendo de tudo para vencer é uma coisa; outra, bem diferente, é poupar recursos pensando no jogo seguinte.

Isso não dá demissão por justa causa? Não, claro que não. Mas que é de indignar, é.

PÊNALTIS

Agora, uma confissão minha: torci para o Grêmio ser eliminado na hora dos pênaltis. Já se viu que não há time nem treinador para enfrentar duas competições ao mesmo tempo. Portanto, foco na Libertadores.

Até porque parece que nada vai tirar o título do Dunga.

CRUZ CREDO

A frase acima escrevi sábado à noite. Realmente, não tem como o Inter perder o título. Nada mais justo. O Inter concentrou suas energias no Gauchão, Dunga trabalhou bem até aqui, o time está organizado. Assim, o título virá ao natural.

Hoje, vitória apertada por 1 a 0 sobre o Veranópolis. O Inter dominou todo o primeiro tempo e poderia ter feito mais um gol. Não fez. O segundo tempo já foi mais nivelado. Mas sem sobressaltos para D’Alessandro e seus companheiros.

No final, Dunga voltou a manifestar mau humor. Agora com barba, ele chega a ser assustador quando vocifera ao microfone.

Se ele é assim quando vence, imagine quando perder. E se for derrota com erros de arbitragem contra o Inter, então…

Cruz credo. Vade retro.