Categorias
Blog do Ilgo

Red Hot nunca mais

Li que a Cia andou torturando uns caras com um método extremamente cruel: rodar a mesma música por horas e dias. A música, sempre a mesma, era do Red Hot Chili Peppers.

Como a última banda – no meu tempo se dizia conjunto – que eu realmente curti foi os Beatles – está bem, tem os Bee Gees, Renato e seus Blue Caps, Fevers e mais uma ou outra que a maioria dos frequentadores do boteco nunca ouviu falar – fui atrás de uma música desse grupo, que eu conhecia apenas de nome.

Peguei no youtube uma música deles. Resultado, em um minuto em confessei que quando criança roubei uma barra de chocolate numa loja em Lajeado; que, sim, fui que soltei um passarinho da gaiola do vizinho também na infância.

No minuto seguinte, já estava confessando ser o mentor do assassinato de John Kennedy. Foi aí que eu desliguei o som com medo de confessar participação na morte do Bin Laden e sei lá mais o quê.

Agora, imagine ouvir horas e horas esse tipo de música, ou qualquer outra.

Aí, me ocorreu que esse tipo de procedimento poderia ser aplicado no Grêmio. Ainda há tempo.

Aproveitar a tarde de sábado e/ou a manhã de domingo para obrigar a comissão técnica e os jogadores do Grêmio a assistir aos 45 minutos finais do Gre-Nal que o Inter venceu por 2 a 1 na Arena.

Depois da quarta ou quinta sessão de tortura, todos saberiam que não podem cometer os erros primários que o time exibiu no jogo e que permitiu que o Inter deitasse a rolasse, quase sem reação do Grêmio.

Feito isso, o Grêmio estará pronto para vencer o jogo e quem sabe festejar o título.

Afinal, o que houve no segundo tempo não pode se repetir. E, não se repetindo, o Grêmio se credencia a vencer o Gre-Nal.

Respeito opiniões em contrário, mas o Inter não é melhor que o Grêmio. Mesmo um Grêmio sem Luan, que, aliás, no Gre-Nal foi um jogador comum.

Se o técnico Enderson Moreira sabe o que se passou nesses 45 minutos do segundo tempo, o Grêmio pode vencer e até conquistar o título gaúcho.

Com isso, o Grêmio estaria justificando a decisão do presidente Luigi, que poderá, então, dizer que estava certo ao transferir o jogo para Caxias, impedindo assim que o inimigo desse a volta olímpica no novo Beira-Rio.

Seria uma falácia, porque o Gre-Nal no BRio daria ainda mais vantagem ao Inter, uma vantagem que reduz bastante no Centenário.

Dito isso, vou curtir músicas do meu tempo. Red Hot nunca mais.

MEDO E SOBERBA

O Inter teve medo de jogar o Gre-Nal no Beira-Rio e ao mesmo tempo foi acometido de soberba por dispensar o apoio de 40 mil colorados na nova casa por considerar que o tetra já está garantido depois dos 2 a 1 na Arena.