Categorias
Blog do Ilgo

Copa do Mundo fica sem o talento de Neymar

Zuñiga é o nome dele. Alguém conhece? É o espanhol que tirou Neymar da Copa com um joelhaço traiçoeiro, criminoso, nas costas.

O golpe fraturou uma vértebra lombar do craque brasileiro.

Zuñiga sequer levou cartão amarelo.

Agora, o desconhecido Zuñiga está nivelado com Neymar: ambos estão fora da Copa.

Zuñiga entra para a história como o sujeito que tirou Neymar de sua primeira Copa do Mundo.

Por trás de tudo, está a Fifa, que claramente orientou os árbitros a serem tolerantes, economizarem cartões amarelos. E isso, claro, estimula a violência.

Os criminosos diante de leis e normas frágeis e permissivas – como essas que existem no Brasil – tornam-se mais audaciosos, ficam à vontade para cometer seus atos criminosos. Há certeza de impunidade.

Foi o que aconteceu nesse jogo entre Brasil e Colômbia.

Em relação ao jogo em si, tenho a dizer que deu a lógica. Quando o Uruguai foi eliminado por esse time bem armado – em todos os sentidos – da Colômbia, previ que o Brasil passaria.

O Uruguai seria um adversário mais complicado, não por ser superior ao time colombiano. Mas por sua bravura, alimentada por uma rivalidade histórica.

O Brasil teve a seu favor um gol logo no início, marcado justamente por quem vinha sendo malhado, o ótimo Thiago Silva.

O gol desarticulou a Colômbia. O Brasil poderia ter feito pelo menos outro gol antes do intervalo.

E isso que Fred e Neymar não estavam bem. Neymar sendo caçado escandalosamente pelos colombianos.

O juiz Carlos Carballos deve ser penalizado. Não é possível. Ele foi bem tecnicamente, mas deixou o pau comer, de ambos os lados.

Agora, com Neymar ele foi impiedoso. Desconfio que exista alguma desavença entre eles no campeonato espanhol, alguma bronca.

No segundo tempo, o golaço de David Luiz deixou tudo mais fácil.

Mas aí Felipão, que havia armado bem o time para o jogo, começou a errar.

Ele deveria ter tirado um jogador que sequer entrou. O Fred. Parecia uma tia velha correndo, com todo o respeito às tias velhas.

Ele me lembrou Barcos. Era útil nas bolas aéreas na área do Brasil. Será que foi por isso que ficou em campo até o fim?

Em vez de sacar Hulk, o melhor atacante do time no jogo, para colocar Ramirez, aos 37, deveria ter tirado o Fred.

A Colômbia havia descontado de pênalti aos 34, com James Rodriguez, que cresceu muito nos minutos finais.

Agora, é a Alemanha.

Com Neymar já seria muito difícil. Sem ele, dá Alemanha.