Categorias
Blog do Ilgo

Prevalece de novo superioridade técnica do Inter

O Inter venceu mais um Gre-Nal. Se isso não confirma uma superioridade técnica não sei mais nada.

É preciso reconhecer que o Inter tem mais jogadores decisivos e qualificados.

O Grêmio tem um excesso de jogadores medianos e poucos de qualidade superior.

Vejamos o caso de Dudu. Ele e Pará são parecidos na vontade, na disposição, na entrega, mas nos lances em que é preciso qualidade na definição eles sucumbem.

Dudu teve em seus pés a melhor chance de gol do Grêmio. Jogada de Giuliano pela direita, bola lançada para Barcos na área. O argentino de forma inteligente deixou passar para Dudu, livre pela esquerda.

Dudu teve de ajeitar. Jogadores medianos fazem gols decisivos de vez em quando, mas na maioria das vezes desperdiçam a oportunidade.

Não foi a hora de Dudu. O chute saiu como uma piada de mau gosto. Dudu é assim, afoito e ansioso. Dá para perceber isso cada vez que ele pega a bola.

Outro que começou o jogo, Rodriguinho. Assim como Dudu, ele tentou, se esforçou, ajudou na marcação e aí talvez tenha sido sua melhor participação no jogo.

Rodriguinho não é mau jogador. Dudu também não é mau jogador. O mesmo vale para o lateral Pará e mais uns dois ou três.

São todos jogadores medianos que eventualmente podem dar boa resposta, mas que normalmente jogam isso que costumam jogar.

É claro que o técnico Felipão pode armar uma equipe competitiva com esses mesmos jogadores. Mas não em poucos dias de treinamento.

Com mais alguns treinos quem sabe o Grêmio não fica igual ao Ceará e também consiga vencer o Inter. Jogador por jogador, o Grêmio é superior ao Ceará.

Apesar disso, o Grêmio perdeu para o Inter enquanto o Ceará venceu o time de Abel em pleno Beira-Rio.

O Grêmio poderia ter vencido o Inter. Por que não venceu?

DARONCO

A começar pela atuação do sr. Daronco, que a continuar assim será apontado em breve como sucessor de Carlos Simon na arbitragem gaúcha.

Daronco vai rápido a dar cartões amarelos para os azuis, e comedido com os vermelhos.

Mais uma vez o D’Alessandro se mostrou um auxiliar eficiente da arbitragem. Penso que já merece o título de sócio convidado do Sindicato de Árbitros do RS.

QUALIDADE OFENSIVA

É claro que se o Grêmio tivesse mais qualidade especialmente no meio para a frente – tecla em que eu e outros integrantes aqui do Boteco temos batido desde o ano passado – passaria por cima da arbitragem, que, a bem da verdade, não cometeu erros grosseiros, mas minou o time gremista, inclusive psicologicamente.

Qualidade ofensiva é um problema que já existia com Luxemburgo, permaneceu com Renato e Enderson e segue agora porque a direção decidiu contratar jogadores de nível médio e/ou promessas, que até agora não vingaram completamente.

O fato é que o Grêmio perdeu mais um Gre-Nal. Jogou de igual para igual no primeiro tempo, com superioridade em alguns momentos e com a melhor chance de gol, essa perdida por Dudu.

TENISTA

No segundo tempo, o Grêmio tinha o controle do jogo. Penso até que Abel recuou seu time de propósito, esperando explorar contra-ataques. Inverteu tudo. O dono da casa é que tinha de pressionar. Mas quem ficava com a bola mais tempo no campo de ataque era o Grêmio, mas sem objetividade, porque a marcação ali era cerrada.

O Inter, como o tenista experiente, jogou no fundo da quadra e explorou a ansiedade do adversário. Foram dois gols de contra-ataque. No primeiro, jogada de Alex, Fabrício cruzou com perfeição e Aranguiz cabeceou com muita felicidade. Não foi falha de Werley nem de Grohe.

Foi qualidade ofensiva do Inter, aproveitando espaços defensivos de um time que jogava não apenas para vencer, mas também para vingar os dois últimos grenais.

No segundo, Cláudio Winck -não tenho nada a ver com isso – mostrou que é realmente um jogador diferenciado. Teve a calma que faltou, por exemplo, a Dudu, e mandou para a rede.

É isso, qualidade não se compra na esquina.

Então, duas chances de gol, dois gols. Depois, o Inter poderia ter ampliado com o W. Paulista numa falha de Walace no meio de campo.

Aliás, a única falha do jovem que Felipão encontrou na reserva da reserva. Walace mostrou muito futebol, muita personalidade. Tem ainda que amadurecer, como disse Felipão na entrevista coletiva, mas isso só se consegue jogando. Portanto, Walace é titular de Felipão.

FRAUDE

Gostei também do Felipe Bastos, outra aposta do treinador. Agora, por favor, gostaria de saber quem plantou a ideia de que ele bate bem na bola?

No primeiro gol do Inter, eu escrevia um twitter para reclamar das péssimas cobranças de escanteio e dos chutes altos desse jogador quando saiu o 1 a 0.

No segundo gol, eu repetia a dose, quando ele cobrou um escanteio de novo no primeiro pau, deu um contra-ataque, 2 a 0.

Prometo não tuitar mais contra o FB, mas não me apliquem que ele chuta bem. Fraude.

MEDIANOS

Seguindo na análise dos medianos do Grêmio:

Fernandinho, contribuição zero. Fincado na esquerda pouco fez para quem dele tanto se espera.

Giuliano, uma atuação mediana. Mas teve uns dois ou três bons lances. Pouco pelo que custou e custa.

Barcos fez o que podia. Errou alguns lances, acertou outros. A derrota não passa por ele, que não recebeu uma bola sequer para concluir.

Na defesa, destaque para Ramiro, que pra mim passa a ser titular. Breno vai receber oportunidade na esquerda, não já, mas Felipão disse que espera contar com o guri.

Confio que Felipão vá arrumar o time.

Não, espero título no Brasileirão. Nem vaga para a Libertadores.

O importante é jogar jogo a jogo e ver o que acontece, sempre com a preocupação de manter distância da zona de baixo.

Fora isso, entrar com força total na Copa do Brasil.