Flamengo é campeão da Copa Conmebol Libertadores e ajuda o Grêmio na luta pelo G-4

O Flamengo venceu a Copa Conmebol Libertadores pela segunda vez após 38 anos.

No Estádio Monumental U, em Lima, no Peru, a equipe bateu o River Plate de virada por 2 a 1.

Com o resultado, a equipe se tornou bicampeã da competição continental, ganhou uma vaga para o próximo Mundial de Clubes, em dezembro, e abriu uma vaga brasileira para o torneio.

O time já está classificado automaticamente para o torneio de 2020 e é líder da competição nacional. Dessa forma, uma vaga se abre para os demais concorrentes.

O Grêmio, quarto colocado no Brasileirão, agora está a 6 pontos de vantagem do primeiro time fora da zona que se classifica diretamente para o torneio, o Corinthians.

O time enfrenta nesse momento o Palmeiras, e se vencer estará classificado matematicamente para a próxima edição da Libertadores. Além disso, o Flamengo também se tornará campeão brasileiro um dia depois de ter alcançado a glória eterna.

Confira abaixo um breve resumo da partida.

Flamengo fica atrás no placar durante quase todo o jogo, mas consegue virada heroica nos acréscimos

flamengo-campeão-gabigol
Foto: Reprodução/CR Flamengo

Histórico. Essa é a palavra que pode definir o confronto entre Flamengo e River Plate pela grande decisão da Copa Conmebol Libertadores.

O novo formato, decidido em jogo único e campo neutro, mexeu com as emoções de todos os torcedores que acompanhavam dentro e fora do estádio.

Uma final diferente que fez o final de semana de brasileiros e argentinos ser inesquecível. Principalmente para os rubro-negros, que saíram campeões da competição.

Mas a partida começou com pressão do River. Na primeira, o time não conseguiu concluir com De La Cruz. No entanto, aos 15 minutos, em jogada pela lateral, Palacios cruzou rasteiro. A bola passou por Arão e Gérson e encontrou Borré, que chutou rasteiro no canto esquerdo de Diego Alves para abrir o placar.

Os comandados de Marcelo Gallardo começaram a comandar as ações da partida. Com uma marcação inteligente rápidos contra-ataques, a equipe levou perigo ao Flamengo durante toda a primeira etapa e boa parte do segundo tempo.

O perde-pressiona do River funcionou até o fim da partida, uma das melhores atuações do time argentino em uma final de Libertadores. Mas, a sorte sorriu para os rubro-negros aos 43 minutos da etapa final.

Lucas Pratto segurou a bola demais na intermediária e perdeu para William Arão. O jogador ligou um rápido contra-ataque com Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabigol. O camisa 9 do clube recebeu sozinho para marcar o empate e botar fogo na partida a 2 minutos do fim.

O jogo, no entanto, não parou por aí. Dois minutos depois, em jogada iniciada por Diego, que retornou há pouco tempo de uma lesão grave no joelho direito, lançou a bola para a frente. Novamente, atacante e pelota se encontraram. Gabigol recebeu e com raça marcou o gol da virada e do título do Flamengo.

O Rio de Janeiro está em festa com a conquista do rubro-negro, um 2 a 1 que coloca o nome do clube na história dos imortais da América do Sul. Jorge Jesus e seus comandados chegam à glória eterna.

É o segundo título continental do Flamengo. Em 1981, a equipe derrotou o Cobreloa, do Chile, para se sagrar campeão pela primeira vez da Libertadores.

Bruno Henrique, decisivo em todos os jogos da equipe no torneio, foi considerado o melhor jogador da competição. Dessa forma, ele receberá um anel comemorativo, tal qual os jogadores campeões de esportes americanos, como a NFL e a NBA.

E a festa não deve parar por aí: com uma possível vitória ou empate do Grêmio diante do Palmeiras, a equipe se sagra heptacampeã nacional ainda neste domingo. Um final de semana inesquecível para mais de 40 milhões de torcedores.

Parabéns, Flamengo!