Categorias
Blog do Ilgo

Maior ídolo gremista passa por fritura pública

A torcida que se orgulha de preservar e enaltecer seus ídolos – ao mesmo tempo em que busca fustigar seu maior adversário abaixo do Mampituba por não ter o mesmo cuidado – faz agora uma fritura pública daquele que chegou a ser homenageado com uma estátua na Arena.

O torcedor tem razão em estar revoltado e indignado depois de ver seu time perder dois jogos para o Caxias e um para o Aimoré. Realmente, dito assim, é assustador, preocupante.

Mas no jogo pra valer, aquele que pode deixar o torcedor arrasado, mergulhado em depressão, o time tricolor, esse que hoje ‘não joga nada’, foi na casa do rival e venceu por 1 a 0, com um primeiro tempo de luxo.

Ah, isso 0 revoltadinho de plantão não valoriza, pelo contrário, diminui ou esquece enquanto esparrama sua revolta nos teclados, exagerando nos adjetivos e até nas ameaças ao alvo principal do fuzilamento: o técnico Renato Portaluppi.

Renato tem sua parcela de culpa. Errou demais no segundo tempo do Grenal e foi pior ainda contra o ‘poderoso’ Caxias, perdendo o título do primeiro turno do até pouco tempo desprezado Gauchão. Um campeonato menor, mas que vira e mexe demite técnico da dupla Grenal, e isso que é tido como competição secundária, sem qualquer relevância.

Experimente perder o título do Gauchão com uma goleada no clássico pra ver o que acontece.

O torcedor não quer nem saber, quer vencer sempre. Não importa se é início de temporada. Ao mesmo tempo, não pensa muito para apontar o dedo acusador para alguns eleitos, a começar pelo treinador, mesmo que este treinador seja um cara que tirou o clube de um atoleiro de 15 anos.

Não tiro a razão do torcedor – quem sou eu para isso -, mas me oponho à essa campanha para afastar Renato do comando. É um movimento heterogêneo formado por gremistas influentes (alguns da mídia), inocentes úteis que, ridiculamente, promovem enquetes com nomes para o lugar de Renato, e, sim, eles, os colorados.

Loucos para terem um ídolo pra chamar de seu, os colorados estão dando gargalhada com essa situação, e, não duvido, parte deles se faz passar por gremistas nas redes sociais, reforçando o coro de ‘Fora, Renato!’.

Nada supera, no entanto, a agressividade descabida de gremistas concentrados nas redes sociais, como se Renato fosse um profissional qualquer, sem história no clube.

Renato pode e deve ser criticado, mas sempre com bom senso e respeito.

ESPINOSA

Na torcida por Espinosa, que luta para seguir vivendo.

Com ele no comando e Renato no time, o Grêmio subiu de patamar no planeta ao conquistar o primeiro título mundial por um clube gaúcho.