Notícias

Jael fala sobre saída do Grêmio e desejo de retorno: “Saí com o coração apertado”

Jogador está no Matsumoto Yamaga, do Japão

Na última segunda-feira (6), o atacante Jael participou de uma live no Instagram. Durante a conversa com um amigo pela rede social, o jogador respondeu perguntas sobre a sua carreira e revelou o sentimento em relação a sua saída do Grêmio, em 2019.

Campeão da Libertadores em 2017 com o tricolor, o jogador afirmou que sair do clube foi uma “escolha muito difícil”. No início do ano passado, Jael foi vendido para o FC Tokyo, do Japão, e está emprestado ao Matsumoto Yamaga, do Japão. Assim como os jogadores do ocidente, o atacante também está com seus campeonatos interrompidos por conta da pandemia de coronavírus.

– Foi difícil, uma escolha muito difícil. Estava vivendo um momento maravilhoso. Saí com dever cumprido. Dei tudo que podia dar naquele momento para o Grêmio. Lógico que ninguém quer sair do seu país, a cidade que gosta, do time que tem respeito. Saí com o coração apertado. Não sei se um dia vou voltar para o Grêmio, mas se eu não voltar, acho que pude aproveitar todos momentos que vivi. Voltar não depende só de mim, se dependesse só de mim já tinha voltado há muito tempo. Tenho quase dois anos de contrato, estou emprestado, pretendo cumprir, fazer um bom ano. Meu pensamento é esse – declarou.

Jael chegou ao tricolor em 2017, após uma temporada pelo Joinville. O jogador era opção do atacante Lucas Barrios, mas foi importante na reconquista da América em 2017. Em 67 partidas pelo tricolor, ele marcou 14 gols, alguns deles fundamentais para o clube.

Jael fala sobre momento mais importante no Grêmio, retorno e conquista da Libertadores

A conquista da Libertadores foi fundamental para Jael. O camisa 9, de acordo com o jogador, foi a maior de sua carreira. Durante a live, Jael respondeu que vencer o maior torneio do continente após voltar de uma lesão que o afastou dos gramados por sete meses foi a volta por cima fundamental para a sua carreira.

– O sonho de toda criança sul-americana é ser campeã da Libertadores É o que eu falo: cheguei no Grêmio contestado, desconfiança muito grande, aí veio a lesão, sete meses parado. A volta por cima naquele ano foi muito gratificante pra mim. Joguei o Mundial de Clubes, a final, a semifinal fiz um jogo muito bom. Foi um marco na minha vida – afirmou.

É no torneio também que Jael guarda sua melhor lembrança no tricolor. Contestado pelas atuações ruins no começo da trajetória com o Grêmio, o atacante entrou na partida contra o Barcelona de Guayaquil, pelas semifinais da competição, vaiado. Participou ativamente do jogo e teve grande atuação. A partir dali, a relação com os torcedores mudou.

– Foge um pouco do que as pessoas vão imaginar, mas já falei para algumas pessoas que foi o jogo contra o Barcelona de Guayaquil na semifinal da Libertadores, um pouco depois da minha volta de lesão. Vivia um momento difícil de ser contestado. Naquele jogo eu não ia ir, não ia entrar no banco. Entrei sendo vaiado, mas no meu primeiro lance fui para marcar, tomei a bola e a torcida já me abraçou. A partir daquele momento mudei minha história, olhavam para mim de uma forma diferente – celebrou.

Perguntado se deseja encerrar a carreira no tricolor, Jael respondeu que sim, mas não depende apenas da sua vontade, assim como outros fatores. Com 31 anos, o jogador ainda tem contrato com o FC Tokyo até 2021.

– É difícil falar em encerrar a carreira no Brasil, não sei quanto tempo tenho de futebol. Mas não sei se vai ser no Grêmio, no Brasil, no Japão. Lógico que tenho o desejo de encerrar a carreira no Grêmio, mas não depende só de mim – explicou.

No início da temporada, o Grêmio buscou um atacante para suprir a carência de jogadores para a posição. Desde a saída de Jael, o clube sofreu com a falta de gols e a dificuldade para conseguir uma referência no ataque. Diego Souza foi contratado para a função e, por enquanto, é o artilheiro da equipe na temporada.

Confira também:

Fechar