Notícias

Reprise da Copa de 70 é oportunidade para filha de Everaldo assistir seu pai em campo

Jogador foi o primeiro tricolor a se tornar campeão do mundo

Por conta da pandemia do novo coronavírus e da paralisação das competições ao redor do mundo, os canais SporTV estão reprisando a Copa do Mundo de 1970, quando a seleção brasileira conquistou o tricampeonato mundial e até hoje é considerada uma das melhores equipes da história da competição.

A equipe que conquistou a Taça Jules Rimet de forma definitiva há 50 anos tinha entre seus titulares, Pelé, Tostão, Rivellino, Gerson, Carlos Alberto Torres, entre outros. Além deles, o lateral-esquerdo Everaldo, que se tornou titular durante o torneio, e foi o primeiro gremista a conquistar o título com a camisa da seleção.

O jogador, que morreu em trágico acidente de carro quatro anos após a conquista da Copa, deixou a filha Denise, que tinha seis anos na época e não conseguiu assistir aos jogos do pai. Ao globoesporte.com, ela afirmou que tinha poucas gravações do pai, relatou que ficou emocionada ao poder acompanhar a trajetória do lateral em sua maior conquista como atleta.

— Eu tenho poucas gravações dele (Everaldo). Queria que estivessem filmando só ele (risos). Achava ele pequeninho. No jogo, aparece bastante quando a bola sai e ele cobra a lateral. Fiquei emocionada — relatou.

As transmissões foram avisadas para a família de Everaldo por WhatsApp e logo movimentaram os grupos. Orgulhosa, Denise publicou em suas redes sociais alguns trechos das partidas em que o pai esteve presente. O lateral atuou em cinco das seis partidas do Brasil na campanha, perdendo apenas um por lesão.

Conquista de Everaldo na Copa de 70 virou estrela na bandeira tricolor

A conquista de Everaldo foi eternizada no tricolor. No seu retorno à Porto Alegre, recebeu a homenagem do clube, que colocou uma estrela dourada na sua bandeira, que até hoje segue no pavilhão. O jogador foi recebido com festa em seu retorno à cidade após a conquista, com direito a desfile em carro aberto até o estádio Olímpico.

— O aeroporto lotou, lembro que fomos recebê-lo, estava com roupa de gaúcho, mostrando que era gaúcho. A “amarelinha” junto, foi muito bonito. Tive a satisfação de ser amigo particular dele e da família. Foi uma figura excepcional como pessoa. Campeão do mundo, mas se manteve como sempre foi, simples — relembrou Loivo, ex-companheiro de Everaldo no Grêmio.

O tricampeão chegou ao tricolor em 1957, mas foi emprestado por duas temporadas para o Juventude. Quando retornou ao tricolor, foi heptacampeão gaúcho, em 1968. Na Copa de 70, substituiu Marco Antônio e fui fundamental no sistema defensivo de Zagallo. A SporTV exibirá as partidas do Mundial até domingo, dia de reexibição da grande decisão.

Confira também:

Fechar