Notícias

Gerson fala sobre mudança de posição e dupla Geromel e Kannemann

"Pretendia, se tiver a oportunidade, de incomodar eles" declarou o zagueiro

O zagueiro Gerson teve uma passagem conturbada pelo tricolor. Após ser capitão nas categorias de base do clube e tratado como joia, o jogador ficou menos de uma temporada nos profissionais, não atuou, e hoje vive sua carreira longe de Porto Alegre. Ao globoesporte.com, o jogador falou sobre uma mudança que poderia ter mudado o panorama da sua carreira.

No Simba FC, da Tanzânia, Gerson atua como primeiro volante e zagueiro. Quando o jogador ainda estava na capital gaúcha, a possibilidade de colocá-lo no meio-campo foi testada, mas ele não desenvolveu e a ideia foi descartada. O agora primeiro volante acredita que essa mudança se deu graças a sua visão de jogo e saída de bola.

– É uma baita questão. Hoje e nos últimos anos tenho jogado mais de primeiro volante e de zagueiro. Me transformaram aqui no exterior, porque eu tinha um entendimento tático bom, boa saída. Aqui, 90% dos jogos faço de primeiro volante, só 10% como zagueiro. É uma tendência que casou hoje na minha vida – ressaltou.

Caso ainda estivesse no Grêmio, Gerson teria a concorrência da dupla de zaga mais vitoriosa do século pelo tricolor, Geromel e Kannemann. De acordo com o ex-gremista, a zaga mostra uma identificação com o clube, mesmo que não tenham sido formados na base tricolor, e ainda brincou, dizendo que gostaria de criar um “desconforto” na posição dos dois.

– Eles são excelentes. O que mais gosto é a entrega deles, engajados com o projeto do clube. Não são formados no Grêmio, mas você vê que eles têm uma identificação. Pretendia, se tiver a oportunidade, de incomodar eles. Criar um desconforto. Não sei se jogar, mas ia ser muito legal dividir o vestiário com pessoas que agregam na tua vida e que tu podes agregar também – colocou.

Devido à pandemia do novo coronavírus, o futebol no país africano também está paralisado. Gerson mora em Dar es Salaam. Sua esposa, que está grávida, retornou ao Brasil para o nascimento da sua segunda filha. Com isso, o jogador está passando a maior parte do isolamento social sozinho.

Confira também:

Fechar