Alegando questões familiares, Cuca deixa o comando do Atlético-MG

O Atlético-MG informou nesta terça-feira (28) pela manhã a saída de Cuca. Campeão mineiro, Brasileiro e da Copa do Brasil a frente do Galo, o técnico se reuniu com dirigentes do clube na segunda-feira (27) à tarde, de forma virtual, e alegou “motivos pessoais, de ordem familiar” para deixar o comando da equipe, segundo a nota oficial divulgada pelo Alvinegro.Alegando questões familiares, Cuca deixa o comando do Atlético-MGAlegando questões familiares, Cuca deixa o comando do Atlético-MG

Conforme o comunicado, o Atlético lamentou a decisão, pois “contava com o treinador no seu planejamento para o próximo ano”. A nota destaca, ainda, que o técnico afirmou que “não iria trabalhar em nenhum outro clube em 2022, para se dedicar unicamente às questões familiares”.

Cuca finalizou a segunda passagem pelo Atlético com 74,17% de aproveitamento. Contratado em março para substituir Jorge Sampaoli, que foi para o Olympique de Marselha (França), o técnico comandou o Galo em 71 partidas, com 48 vitórias, 14 empates e nove derrotas. Na primeira vez que dirigiu o Alvinegro, entre agosto de 2011 e dezembro de 2013, o treinador levou o clube ao título da Libertadores.

Jesus livre no mercado

Simultaneamente à saída de Cuca, o Benfica (Portugal) anunciou a rescisão de contrato com Jorge Jesus “por mútuo acordo”. O técnico – que fica disponível no mercado, inclusive na mira do próprio Atlético – estava em baixa no clube português, apesar da classificação às oitavas de final da Liga dos Campeões, com a demissão pedida por parte da torcida, insatisfeita com o nível de atuação, especialmente nos jogos contra Sporting e Porto.

Jesus era o principal alvo do Flamengo desde que Renato Portaluppi deixou a Gávea, em novembro, após perder a Libertadores para o Palmeiras. O Rubro-Negro enviou dirigentes a Portugal para negociar o retorno do técnico campeão nacional e da América em 2019, mas a intenção – publicamente, ao menos – do treinador de cumprir o contrato com o Benfica e da equipe encarnada de mantê-lo, apesar das críticas, fez com que os cariocas procurassem outro comandante português: Paulo Sousa, atualmente à frente da seleção da Polônia.

Luxa fora do Cruzeiro

Outra agremiação a comunicar mudanças na comissão técnica nesta terça foi o Cruzeiro, que demitiu Vanderlei Luxemburgo. Em nota oficial, a Raposa justificou a decisão “para adequar as contas à realidade orçamentária do clube”, que vive uma transição após o ex-atacante Ronaldo Fenômeno adquirir 90% das ações da Sociedade Anônima do Futebol (SAF) celeste.

Luxemburgo tinha renovado contrato com o Cruzeiro até 2023, mas antes da compra das ações da SAF do clube por Ronaldo. Com isso, o técnico finaliza a terceira passagem pela Toca da Raposa com oito vitórias, 11 empates e quatro derrotas em 23 jogos. A equipe celeste encerrou a Série B do Campeonato Brasileiro na 14ª posição, com 48 pontos, cinco a frente do Remo (primeiro time na zona de rebaixamento à Série C) e 16 atrás do Avaí (quarto colocado e último a conquistar acesso à primeira divisão).

Fonte: Agência Brasil